sábado, 7 de abril de 2012

CAI A NOITE


O teu sangue goteja em minha alma sedenta.
Pois (mesmo estando tão dura como um rochedo
E ainda tão carnal), essa gota bem cedo
A impedirá de ficar murcha, rija, ou odienta,

E a vida, que esta morte desde já implementa,
Deterá a morte, morta em tua morte, e ao medo
Da morte prima ou última então eu não cedo,
Se em teu livro o meu nome contiver ementa,

Nesse longo sono, a carne não apodrece,
Mas está pronta pro que sempre foi seu fado,
Nem a glória por outras maneiras conhece.

Que, livre da morte e do sono do pecado,
Possa, de ambos desperto, alçar-me em alegria,
Saudando o derradeiro e sempiterno dia.

John Donne em Sonetos - Ressurreição

Sem comentários:

Enviar um comentário