terça-feira, 26 de junho de 2012

MINISTRO, RELATÓRIO, MENSALÃO, OPINIÃO E A JUSTA


"Utopia coletivista miserável: de cada um, segundo sua capacidade, 
para cada um, conforme sua necessidade. " [BSchopenhauer]

Ah, a semana em CorruPTópolis! Essa, tomada pelo mensalão e pela necessidade do seu revisor, ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, em entregar seu relatório para que seja cumprido o cronograma para a votação em si desse que, para muitos, é o maior escândalo de corrupção da república brasileira. Enquanto redigia esse, o portal Conjur noticiou: Ministro libera relatório de revisão... (leia aqui).

Tenho minhas opiniões que comumente seguem na contramão do senso comum, sobre o que é e como deveria ser - portar-se - uma Suprema Corte e seus membros que, afinal de contas, são a própria instituição da Justiça que representam. Uma delas é que muito acima das outras instituições democráticas, o Judiciário deva ser o poder mais independente de uma nação. Tal independência passa, obrigatoriamente, para que os capas-pretas em todas as instâncias da Justiça não sejam sujeitos à imoralidades das pressões políticas, por óbvio. Mas também que não sejam sujeitos à "voz rouca das ruas". A responsabilidade das Excelências deve ser com as leis, a Constituição da República, não com a opinião de quem quer que seja.

Ocorre que esse é o cenário do mundo ideal, também não sou estúpida de não reconhecer que estamos longe do mundo ideal. No mundo real, possível, o que ocorre é o oposto, e arrisco - sem estatística alguma, apenas pela observação particular - que nas primeiras instâncias tais pressões política e popular sobre o Judiciário sejam menores. Já a partir da segunda instância até os tribunais superiores... ai, ai, ai. 

Sou mais rodriguiana que pode imaginar a sua vã filosofia e portanto, sei que política e futebol não são feitos com boas intenções. E tratamos de política, puramente, não de Justiça, no que respeita o julgamento de uma Sofisticada Organização Criminosa - puramente formada nas hostes da política e voltada para a sistematização da corrupção como forma de garantir a perpetuação dos mesmos agentes no poder. Pois dessa feita, não se pode lidar com o lado mau da força política sem conhecer seus trejeitos e não se pode vencê-lo tendo pudores em agir com alguma coisa de seus métodos. Porém, creio ser plenamente possível observar os limites dos valores éticos que o lado Jedi da Força tem. Há muito que a opinião pública é a opinião publicada pelo interesse de quem detém esse poder, e publicar a opinião dos contrários ao mal, é a arma da vez. 

Assim, há que se equilibrar um pouco a balança da pressão do Lago Negro da Força exercida sobre a balança da Justa, que jamais deveria receber pressão nem política nem popular, e a bronca das redes sociais sobre Lewandowski tem - teve - o seu valor. O que espero, agora que o dito cujo relatório foi apresentado, é que os ativistas de bumbum confortavelmente instalados em poltronas de couro e ar-condicionado não pensem que seja um piquete de hastag o responsável absoluto por "fazer a revolução". Deixemos de utopia, pois o mundo real existe e é o que temos. 

Olho escanteado para a apologia de um mundo melhor. O mundo é bom. As ressalvas são para muitos que nele vivem. Ninguém salva o mundo, porque o mundo não precisa ser salvo. Ninguém escolhe salvar o mundo. É uma necessidade coletiva, para ser aceito, seja por pose de bom-mocismo mal intencionada ou por ingenuidade. Como necessidade, não é escolha. Sendo coletiva, não é livre. Se não é escolha, individual e livre, não é durável, pois não encontra sustentação em ideias próprias. A coletividade, desprovida de ideia, só se sustenta na falta de opção. É utopia. E toda utopia naufraga em seu próprio vazio de ideias. Da União Soviética até o movimento bicho-grilo, aquele da paz, amor, maconha e LSD, toda utopia terminou em fracasso. 

Em tempos de redes sociais isso fica muito exacerbado. Propagar a nova era revolucionária de um mundo melhor é, por vezes, uma fuga covarde para não enfrentar os próprios erros, falhas, os defeitos, a parte feinha que mora em cada um. Há um mundo para salvar, e os pecados alheios para perdoar. Assim, não há tempo para olhar por cima do próprio ombro, para trás, e enxergar o tamanho do rabo que cada um arrasta. E esconde. A responsabilidade com a questão política dá-se na informação para o voto. Em véspera de eleição de vereadores e prefeitos, é uma boa conversa. Que fica para daqui a pouco. 

Beleza, Seu Levianówiski. Ops, Ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal. Soltou o que te oprimia. Agora vamos para outra etapa do mensalão?

8 comentários:

  1. Sofrer por amor é uma escolha. Escolha própria: pode ser infantil ou corrompido. Pode ser digno ou roubado. A culpa é nossa.

    Fabio.

    ResponderEliminar
  2. O ministro pode reclamar a vontade. Ele é funcionário público e deve sim, satisfações. Não só ele, mas todo o STF ainda está devendo uma boa explicação do motivo para que só agora o mensalão está sendo julgado.

    ResponderEliminar
  3. Quisera poder compartilhar do vosso otimismo.
    Com estas leis que foram feitas para dificultar ao máximo que um político ladrão pague por seus crimes, chego a duvidar de final feliz. Porque para mim extirpar de uma vez por todas estas pragas da vida pública e retomar o que nos foi roubado é justo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quisera compartilhar do seu otimismo em me achar otimista! Nó! Até gostei, hehe. Sou cínica, cética, não tenho a menor "esperança" no slogam "Um Brasil mais justo". Não acredito em salvar o mundo, tampouco em salvadores da pátria. Mas tá valendo. :)

      Eliminar
  4. Olá!!! Também não compartilho desse "otimismo", até porque o nosso povo brasileiro, EM SUA ESMAGADORA MAIORIA, continua sendo IDIOTA...

    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=pEZrHPo_3I0

    ResponderEliminar
  5. Mas que seria a glória ver lula numa gaiola como esta, seria

    Lula na carrocinha! http://aluizioamorim.blogspot.com/2012/06/sponholz-lula-na-carrocinha.html?spref=tw

    ResponderEliminar
  6. Mercia Neves26/06/12, 19:30

    "Quase sempre minorias criativas e dedicadas transformam o mundo num lugar melhor." Luther King

    ResponderEliminar
  7. Essa esperança tampouco tenho. A "Justa" da Banânia está cooptada e totalmente dominada pelos "barbudinhos". (nada contra barbudos não-PTistas). Um STF isento seria o ideal mas como vivo no planeta terrs, sei que o ideal é sonho e utopia.
    Abraços

    Lunarscape.

    ResponderEliminar