sexta-feira, 27 de julho de 2012

CAI A NOITE


Já não há procura incessante
Nenhuma prolongada angústia
- em agonia
Pressinto a música estalar nas paredes
Rendo-me ao silêncio, se este se faz
Sem espera nem demora
- tudo acontece ou nada
É lentíssimo esse progredir do amor
Suavemente compassando o coração
Possuo os espaços secretos de ti
Incomensuráveis, da tua presença
- em tua ausência
Fazendo de mim um ansioso lugar
Apaziguado, pois tu és o que há
E tudo há, quando em ti estou
- como quem respira
Cultivas tu o meu cultivar
Da tua saudade em meu corpo
- Do teu sobre o meu
Não és tu de uma imagem solta
- uma criação
Então já não necessito de ti
É de olhos fechados que ando
Atravessa meu elemento essencial
- o teu abraço
Este teu gesto lento que me alcança
- e me possui
E então já não necessito mais
- de mim!

2 comentários:

  1. Olá Regina,
    Gostei da poesia 'Cai a Noite'...
    Ela me disse alguma coisa...
    As minhas poesias ainda não passaram pelo crivo da autocrítica.
    Abraço, Sonia Maria Leal

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Sonia. Olha, todo mundo que já me conhece sabe e não faço segredo. Eu publico sem revisão. Se eu ler o que escrevo, em relação a poema, não publico. Não é minha praia, sou de prosa. Mas algumas pessoas foram gostando e fui postando. Leio muitos poetas, por gosto. Mas tenho toda noção que o que escrevo é intuitivo, não há construção, métrica, técnica nenhuma porque nunca estudei estrutura, etc. Qualquer hora dessas paro por uns 20 dias e tiro "férias" para estudar como escrever poesia. Portanto, se eu tive coragem, tenha também, hehe. Publique as suas. Obrigada pela visita e comentário. Volte sempre!

      Eliminar