quarta-feira, 25 de julho de 2012

CONFISSÕES DAS LETRAS: ESCREVER, ARTE SEVERA



Hoje, 25 de julho, é Dia do Escritor. Tem dia para tudo, mesmo, nessa vida. 

Qualquer um que escreva, é escritor? Ou só aquele que é editado, que publica - e vende - é assim reconhecido? É bem verdade que ser escritor é a única profissão em que não se é ridicularizado por não ganhar nem um centavo com ela, como sentenciou Jules Renard. Pode-se morrer pobre, e ainda assim ter um baita orgulho. Não é um emprego, então, já que escrever, ao menos no meu caso, não dá dinheiro algum. É um ofício severo. Mas é antes, um luxo e uma necessidade. É um alento. Um porto seguro, sempre.

Fernando Pessoa disse que escrever é esquecer. É fácil concordar com ele, pois, afinal, trata-se de ninguém menos que Fernando Pessoa, um gênio. Pesa ainda na balança o que ele próprio disse em outro de seus mais antológicos poemas: "O poeta é um fingidor / Finge tão completamente / Que chega a fingir que é dor / A dor que deveras sente".

Minha formação é no magistério (História e Letras) e apesar de nunca ter atuado profissionalmente em salas de aula, algum traço disso deve residir em mim: sempre incentivo as pessoas a escrever. Há uma grande resistência ao ato de escrever que não compreendo. A maioria teme a escrita. Alguns dizem: "não tenho talento". Eu respondo: como sabe, se não escreve? Você pensa? Para escrever, ensinou-me Oscar Wilde, "só existem duas regras: ter alguma coisa a dizer e dizê-lo".

Não se trata de tornar-se um escritor de sucesso estilo vitrine de livraria ou lista dos 10 mais. Não falo da pretensão de tornar-se mestre na análise política (que é o que mais gostamos, vamos falar a verdade, apesar dos poemas e que tais no blog), como tantos que todos conhecemos, e cada um tem a sua preferência. Se digo "escrevam", é apenas para transformar em letras o pensamento. Ou o sentimento, em outra hipótese. Ou ainda ambos, fórmula que por sinal costuma render bons escritos, provavelmente os melhores.

Todo o processo da escrita deve ser permeado de prazer, e sem dúvida, o prazer começa no hábito da leitura. É um ciclo, e ele não se fecha nisso: quando descobrimos que alguém sentiu prazer ao ler o que escrevemos, é muito bom! O que escrevemos é um reflexo do que pensamos, do modo como vemos o mundo e do que extraímos em reflexões. Da opinião que temos sobre o que somos, em essência, e da coragem em expor tudo isso. Quando escrevemos, legamos ao leitor uma parte importante dessa essência, dividimo-nos por assim dizer, com esse. Proust disse que para escrever uma boa história não é preciso inventar nada pois o bom escritor já as tem dentro de si, basta saber traduzir.

Para escrever há que ler, sempre. Outro escritor, Jorge Luis Borges, sobre a mesma arte, afirmou que "chega-se a ser grande por aquilo que se lê, não por aquilo que se escreve". Ler sempre, é fundamental! Você homenageia o escritor lendo-o. E se torna grande. Ler é mais generoso do que escrever. 

Viver exclusivamente da escrita não é fácil. E outra vez se trata da arte de ser publicado. Falo da redação do dia-a-dia, porque há dias em que nada vem. Essa que vos fala, há dias, aliás, há um bom período em que nada vem, e o que vem não sobrevive ao "delete" do teclado, pela autocrítica que, por sua vez, jamais falta. Realmente, não é possível afirmar que é uma empreitada fácil. Naquelas ocasiões, o pensamento simplesmente se recusa a ser ordenado sistematicamente a ponto de traduzir-se em letras. 

Ser autoral, escrever por e para si mesmo, é bem mais difícil do que fazer isso por outro. Nunca tive dificuldades em fazer trabalho sob encomenda [Ghost Writer é o nome importado e bem mais divertido para redator]. Por mais responsabilidade com pesquisa, fundamento e linguagem que represente escrever algo que levará a assinatura de outra pessoa, ao mesmo tempo e com aparente incoerência é muito mais fácil colocar palavras na boca do outro do que desnudar seu próprio pensamento. Expor-se ao julgamento daqueles que você deseja alcançar, com sua escrita, a admiração. Não é fácil.

No fundo, o que chamam "bloqueio" não passa disso: o pensamento se recusa a ver-se dividido, espalhado, desnudado, à mercê do escrutínio, do julgamento dos outros. O meu anda exatamente assim. E é frustrante você desejar ter aquelas letras interessantes para dividir com algumas pessoas, e simplesmente o seu pensamento ordenar que você se cale. Dedos mudos, que obedecem sem oferecer grande resistência. O pensamento é mais poderoso. E então, apenas que me resta a fazer... é me calar. 


"A palavra do ser humano é o material mais durável. 
Quando um poeta encarna sua sensação mais fugaz com palavras adequadas, 
ela vive nestas por milênios e volta a despertar em todo leitor sensível." 
Schopenhauer, o Arthur em Sobre o Ofício do Escritor


6 comentários:

  1. Como escreve bonito essa minha amiga, excelente artigo, parabéns !!

    ResponderEliminar
  2. Mercia Neves25/07/12, 19:20

    Palavras escritas sempre em perfeita sintonia, com as que delas são suas, e há, naquelas outras palavras, qualquer identificação..."Porque a boca fala o que está cheia o coração"
    Lindo texto, Regina.Perfeitas.

    ResponderEliminar
  3. Bravô! (de aplaudir em cena aberta...)

    ResponderEliminar
  4. Regina,

    Cheguei aqui por meio do programa Saia Justa.
    Ouvir Maria Fernanda ler um poema teu "eriçou pelos e memórias" como diz uma amiga minha, mas ler "Confissões das Letras" fez pulsar dentro de mim o irresistível desejo de continuar brincando com as palavras.Obrigada!

    ResponderEliminar