domingo, 5 de agosto de 2012

CAI A NOITE


Da manhã, transparente
Até aquelas horas da noite, cinzentas
Por todo lado, cercada de cidade
Uma praça, uma torre, ruas, flores nas janelas
Os carros, a velha estação
- E a saudade.
Concreto cinza, aparente
Plataformas duvidosas
Fios, antenas e vidros instáveis
sobre as ruas - de neve negra
Por que não passear pelos telhados
- vermelhos?

Espreitar quando há casas baixas
- de fachadas verdes


Rios, água em qualquer terreno
Uma cidade pode ser um punho
- ou um coração ardendo
Pode ser vento, névoa,
- fumaça ou sereno
Pode ser o meu veneno

Os carros, a velha estação
De todos os lados estou cercada
- por esta cidade
Que como num palco náufrago
Abriga, agora de ti, apartada
- A minha saudade.

3 comentários:

  1. Sensacional Regina, você está cada vez mais inspirada !!
    Isso deve ser por conta dos ares de Campinas ....
    Take care !! Cheers !!

    ResponderEliminar
  2. Olá Regina,
    Às vezes o acaso nos faz bem. Ontem 05/08/2012, estava zapeando e vi um bate papo no GNT com a Mônica. Mencionaram o seu Blog. Resolvi visitar e confirme que tu escreves muito bem!...Continue

    ResponderEliminar
  3. Muito Bom!...Descobri seu BLOG através da Monica Waldvogel. Comprovei que tu escreves muito bem.

    ResponderEliminar