sexta-feira, 14 de setembro de 2012

CAI A NOITE



Agora sei que tem fome a minha carne
- além do espírito,
Abriga a imensidão da tua ausência 
Aportada no meu silêncio
Que tu ouves ao pulsar
- dentro de ti,
O sabor da minha saudade 
- que já farta, me possui.

Agora sei que arde o meu corpo
- além da carne,
É em sangue marcada por tua sentença
Povoada do som do teu sorriso
Que cultivas no meu olhar
- e fora de mim,
A cor da tua voz acalentada
- que presente, me destina
A perder-me em ti.

Embora amarga tal o fel 
- aquela saudade;
É no peito que a lembrança explode
Corre pelas veias, sobe à boca
- e a boca não diz,
Dessorada nos olhos a escorrer pela face.

É de amor o sabor da minha dor
- que não cessa, me possui.




5 comentários:

  1. Marcelo Rodriguez18/09/12, 12:44

    Gostei, muito. Quanto mais leio, melhor fica, apesar de, sinceramente,estar com inveja do cara em quem vc esta pensando.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Marcelo!
      Fernando Pessoa cunhou que o poeta é um fingidor. Em contrapartida, Pe. Antônio Vieira disse que o poeta vê - e narra - as coisas, a história, o mundo, como deveriam ser ou ter acontecido. Gosto mais da visão de Pe. Vieira. Ademais, Marcelo, há outras opções... Uma delas é que não sou poeta, lembra? Obrigada pela vinda, e volte!

      Eliminar
    2. Marcelo Rodrigurz20/09/12, 12:15

      Regina, quem trabalha eh trabalhador; ladrão rouba. Agora, quem escreve poesia , de qualidade, eh ....poeta, lógico . Por favor, continue assim.

      Eliminar
    3. Rabiscar, rabisco, Marcelo... Se não aqui, acolá ou em qualquer outro lugar. Escrever é necessidade, mais que vontade.... https://www.facebook.com/photo.php?fbid=3288615714138&l=3b1e99930f

      Eliminar

  2. Lindo!
    meu blog
    http://andorinhalivre.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar