domingo, 30 de setembro de 2012

PARA QUE RIMAR AMOR COM DOR?



Um texto sobre dois professores de escola pública é lido. Nele, eles comentam sobre os problemas da profissão (correção de provas até tarde da noite, muitas horas de trabalho, salários, etc.) e do amor que têm pela arte de se ensinar. Quando a questão salarial é levantada, a moça cita que tem um amigo que optou por dar aula em escola particular. O rapaz então afirma que pensa no futuro fazer esta opção e ela rebate que não se sentiria completa profissionalmente se deixasse a escola pública. Bom uma das perguntas da interpretação de texto é qual dos dois gostava mais da profissão. Excetuando um voto, todos concordam a moça gosta mais. Por quê? Ora, óbvio por escolher ensinar em escola pública.

E a resposta parece tão óbvia que vira pergunta simples como outra que indagava onde ocorria o papo entre eles. Aí me lembrei de um velho samba do Ciro Monteiro que dá título à crônica. Sim, por que, em pleno século XXI, ainda se insiste em medir o sentimento pelo sofrimento ou sacrifício que causa? Como negar o amor do jovem pela profissão dele só porque ele quer ganhar um salário melhor? Como “santificar” a jovem só por ela preferir ficar onde está? E a pergunta de um milhão de dólares: Será que ainda se acredita que “o feijão e o sonho” são excludentes? Que não se pode ter prazer profissional e salário digno?

O curioso é que essa “devoção” profissional é mais cobrada em duas importantes carreiras para qualquer sociedade: médico e professor. Os dois sempre são incensados (o que é uma ótima maneira de cobrança) e elogiados por “dedicação” e sacrifício. E isto é tão repetido através dos tempos que faz com que em uma classe com pessoas de 17 a 58 anos, passando pelos vinte, trinta e quarenta, seja quase uma unanimidade. E vamos combinar que há poucas unanimidades entre cinco gerações. 

Como associação de ideias é algo que só Freud explica, este debate também me fez lembrar Tom Jobim que dizia que brasileiro odeia o sucesso. Sim, o sacrifício é exaltado, mas se dele resultar um grande reconhecimento, já não é tão válido assim. O que se enaltece é o sacrifício diário e permanente. O sofrer, o pesar o “se dar” profundo. Tudo isto claro, para os filhos e filhas dos outros. Mas, deixando o lado trabalhista de lado, o fato é que atualmente parece que há um fenômeno ocorrendo: a vergonha de ser bem-sucedido e a necessidade de justificar este suposto sucesso com um passado de provação.

Sim, se você ganha bem, não importa se você rala 10,12 horas por dia, ou se não sabe o que é um fim-de-semana de folga, as pessoas vão deixar claro, em palavras, olhares ou gestos que você não passa de um representante da “vil burguesia”. A salvação aparecerá se você contar como era triste sua infância. Aí sim haverá solidariedade compungida. Mas, se você tiver ensino superior pré-cotas então você é muito mais culpada e haja tragédia para lhe redimir. Sim, neste Brasil de cabeça para baixo, ganhar bem e não precisar de bolsa-isto ou bolsa-aquilo nem de financiamento qualquer é motivo de vergonha. Sucesso é vergonhoso porque não rima amor com dor. Agora, doloroso será o despertar desta era...

Mirtes Guimarães, @marcia1907, jornalista mireiroca que traduz o cotidiano para o blog.

6 comentários:

  1. Infeliz a nação onde o demérito via apologia ao coitadismo faz da coletividade uma massa incapaz. E somos todos inúteis!

    ResponderEliminar
  2. Marcia,

    So tem vergonha de ser bem sucedido quem nao ralou pelo sucesso. E sao esses que vivem por ai querendo dividir o dinheiro dos outros. Deve ser por peso na consciencia.

    ResponderEliminar
  3. A cultura de coitadismo implantada no Brasil não deixa de ser uma modalidade de censurar e intimidar os capazes.

    ResponderEliminar
  4. Maninha! Só agora consegui chegar no "Veneno! Mas está mto tarde e pretendo ler seu texto com calma,tranquilamente!
    Bjs!
    Amanhã volto aqui! rsrs

    ResponderEliminar
  5. Este assunto é "periclitante" !
    Mas vc tem razão! Parece que é proibido fazer sucesso, e até ser bem sucedido financeiramente! Acho que tudo,no fundo, é aquele sentimento reles,baixo,mesquinho,a tal da Inveja!

    Mas a Inveja existe desde os primórdios da civilização!
    Pois Caim não matou Abel? Yago não tinha inveja do Otelo? Até Mozart,o gde compositor mereceu a inveja do Sallieri!
    (E vc já notou a inveja que Lullinácio sente do FHC?) rsrs

    Li outro dia que a Paixão por alguma coisa é o que destaca uma pessoa das outras! Isso a faz diferente!(Não melhor que as outras) Mas a diferença sempre é notada,e poucos têm a nobreza de reconhecer,ou ver o mérito da outra em destaque!

    Assim é a natureza humana...
    Muitos ralam,se esforçam,se entregam por algo, mas outros só criticam,ou desdenham... Estes são apenas espectadores na vida!Os primeiros são os grandes atores no palco da vida!

    ResponderEliminar
  6. Meu caro. Ótima matéria, para não fugir ao seu costume. Recomendo-lhe ver isto: http://pmbitalia.blogspot.com/2012/10/a-degradacao-moral-e-preciso-ver-para.html?spref=fb

    ResponderEliminar