domingo, 7 de outubro de 2012

CAI A NOITE



Tantos prazeres agora eu sei, 
- devo-te 
O riso purificado que em mim colocaste 
O despudor do silêncio na manhã 
(do pássaro) 
E a surpresa desta saudade...

Tanto como estão comigo as tuas palavras
- Devo-te 
A alegria indomada que a mim emprestaste
O destemor do sensato desejo 
(de em ti voar)
Sou em ti, as asas de em ti ficar...

Tantas viagens agora eu revivo,
- Devo-te
A indizível volúpia que em mim despertaste 
O incendiado desejo lambendo-nos
(os corpos)
Algumas horas, adormecidos em ternuras...

Ter-te, é dever-te
Inúmeras preces no altar 
- que não desvanece
E as coisas que eu não disse, que não digo
Estão no fogo dos sabores de mim
- que tu tomaste, e já a ti pertencem
Sou em ti, o que tu queres
- devo-te 
O que em mim os teus dedos
Com a tua paixão, 
- tu escreveste!

Sem comentários:

Enviar um comentário