quinta-feira, 11 de outubro de 2012

CORRUPÇÃO, CORRUPTO, PROCESSO PENAL, INVESTIGAR. MENSALÃO BY LULA


Lula, o Expirado Bufão, fala demais. Sempre falou demais, antes, durante e depois de seus mandatos. Protagonista do improviso, reza a lenda que este é sempre turbinado, a partir da hora do almoço, pela graduação etílica do momento. Didáticos, pedagógicos, democraticamente esclarecedores, registro aqui  alguns trechos selecionados sobre corrupção, corrupto, processo penal, investigação, punição. Companheiros. Mensalão. 

Em CorruPTópolis, o País do PT, o palco é todo de Lula. É ele um porta-bandeira de si mesmo, obviamente exposto por suas próprias palavras, todas dele, abaixo. Já os negritos e asteriscos, são inteiramente meus.
Eu tenho dito que a gente vai combater a corrupção. E vamos combater a corrupção porque o dinheiro da corrupção é o dinheiro que está faltando para a Educação, para a Saúde e para fazer os investimentos produtivos que nós precisamos fazer no Brasil. Isso vai acontecer. Isso vai acontecer nos quatro anos e eu quero que vocês acompanhem. (24/03/2003, São Bernardo do Campo) 
*Apenas com o mensalão, estima-se que R$ 400 milhões de reais foram pelo ralo da corrupção.
Eu quero que vocês saibam e voltem para os seus países com a certeza de que eu entendo que a corrupção é uma das desgraças do nosso continente, e muitas vezes quando alguém falava que nós éramos pobres por conta do imperialismo, eu dizia: pode ser até meia verdade, mas a outra verdade é que nesses países da América do Sul e da América Latina nem sempre nós tivemos dirigentes que fizessem as coisas corretas para o seu povo e com o dinheiro público. (02/07/2005, São Paulo, Celebração dos 15 anos do Foro de São Paulo)
Todo mundo tem obrigação de ser honesto. Isso eu herdei da minha mãe e os brasileiros sabem disso, mesmo os adversários mais tenazes sabem. Eles podem acusar qualquer pessoa no Brasil, isso pode chegar até na porta da minha casa, mas eles sabem que não vão me acusar de corrupção porque sabem que eu sou honesto. (05/07/2007, Bruxelas. Entrevista ao canal France 24).
*Porta de casa: Casa Civil do Palácio do Planalto, de onde José Dirceu, agora CONDENADO POR CORRUPÇÃO, operou o mensalão. 
Não se pode permitir que as pessoas que praticaram corrupção sejam julgadas depois que terminarem o seu mandato, como acontece habitualmente em nosso país. (12/05/2003, Brasília). 
Se tiver alguém praticando corrupção, quem vai investigar é a Polícia Federal, é o Ministério Público, é o Governo Federal. E se tiver alguém, pode ser primo, aderente, pode ser quem for, se estiver praticando ato ilícito terá que ser punido, não tem perdão. (16/12/2005, Garanhuns).
Tem gente que é eleita com uma fama de honesto e, três meses depois, já está sendo chamado de corrupto pelo povo, na rua. (11/03/2003, Brasília).
Eu prefiro que haja toda a tramitação e investigação necessárias para, quando a gente disser que alguém é corrupto, a gente provar que é corrupto e colocar essa pessoa na cadeia. (12/05/2003, Brasília).
Acho que o Congresso Nacional tem toda a competência e serenidade para definir se deve ou não fazer CPI, quantas CPIs deve fazer. (20/02/2004, Caxias do Sul).
Eu confesso a vocês que eu não tenho tempo a perder com CPI. Nós iremos fazer tudo que for possível para contribuir com todas as informações, mas nesse momento eu não quero jogar fora e não quero perder a oportunidade do bom e extraordinário momento que o Brasil vive. (19/02/2008, Serra - ES).
É importante lembrar que também não é a primeira vez que, no Brasil, tem uma CPI. Nós gostamos muito de CPI e elas são feitas sistematicamente, e eu acho que isso faz parte do jogo democrático. O que é importante para mim é que eu gostaria que não acontecesse (CPI) isso. Eu acho que o Brasil não merece isso (CPI) porque o Brasil está vivendo um bom momento na sua economia e eu gostaria que tudo fosse diferente. Mas não é. Faz parte da política, nós temos que encarar isso com a tranquilidade que um dirigente tem que ter e vamos ver se os nomes aparecem e se as provas aparecem para que as pessoas possam ser punidas. (15/07/2005, Paris, França. Aquela entrevista à jornalista Melissa Monteiro, exibida no Fantástico).
O que nós fizemos até agora não seria possível se não houvesse entre nós um grau de amizade, um grau de companheirismo como existe. (05/07/2004, Brasília).
Sempre a saída de um companheiro ou de uma companheira do Governo nos deixa muito sensibilizados e muito tristes. (25/05/2008, Brasília).
Se a gente souber extrair o potencial de bondade, de companheirismo, de solidariedade que tem dentro de cada ser humano, nós poderemos fazer uma grande revolução neste nosso querido planeta Terra. (21/08/2004, Porto Alegre).
*A revolução do mensalão, além-fronteiras tupiniquins, legado para o mundo. Viva os companheiros!
E eu tenho a responsabilidade por tudo que aconteceu de bom ou de ruim, ou que vai acontecer de bom ou de ruim. Mas a simplicidade de tentar carregar nas costas das pessoas... "Ah, mas aconteceu na tua casa, você não sabia?" Não sabia. Quantas mães de família, quantos pais de família têm um filho dentro de casa que está praticando algum delito, que está usando droga e não sabem? Só ficam sabendo quando a polícia prende, só ficam sabendo quando acontece uma desgraça, que aparece no jornal? Ora, se a gente não sabe as coisas que acontecem dentro de casa, por que num Estado o ministro tem que saber de tudo o que acontece no território nacional? (07/12/2005, Brasília, entrevista coletiva às emissoras de rádio Band AM e Bandnews FM, CBN e Jovem Pan - sobre o mensalão).

3 comentários:

  1. Incrível o quanto o petismo e o lulismo fizeram e ainda fazem mal ao país.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E não temos muita memória, Marcinha. O Expirado Bufão disse o que quis e o que não quisemos ouvir, e ainda tem mais, muito mais. Daria umas duas páginas, só de "trechos de corrupção" e similares. Cada absurdo dito, desmentido pelos absurdos crimes cometidos pela turma dele, na porta da casa dele. Eu não sabia, ahã. Tá boa, santa?

      Eliminar
  2. Exatamente, e o Lula só é bufão, porque tem quem o aplauda. A moral e a ética do brasileiro são seletivas. Depende sempre das conveniências do momento.

    ResponderEliminar