quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

CAI A NOITE



Luas, marfins, instrumentos e rosas, 
Traços de Dúrer, lampiões austeros, 
Nove algarismos e o cambiante zero, 
Devo fingir que existem essas coisas. 
Fingir que no passado aconteceram 
Persépolis e Roma e que uma areia 
Subtil mediu a sorte dessa ameia 
Que os séculos de ferro desfizeram. 

Devo fingir as armas e a pira 
Da epopeia e os pesados mares 
Que corroem da terra os vãos pilares. 
Devo fingir que há outros. 
É mentira. Só tu existes. 
Minha desventura, 
Minha ventura, inesgotável, pura. 

Jorge Luis Borges

Sem comentários:

Enviar um comentário