segunda-feira, 4 de março de 2013

CAI A NOITE


Não escrevo, eu transcrevo 
Do que cresce em ti 
- em mim faz brotar 
Devolvo-te em palavras 
(o que nasce) 
Quando reencontro-me
Sob o teu olhar.

Não leio, eu redescubro
Do que brota em ti
- em mim faz vibrar
Percebo-te no tempo
(o que renasce)
Quando vejo-me
Sob o teu dedilhar.

Não invento-te, sei-te
Quando sob os teus toques
Tateias minhas teias
E sobre a ausência passada falas
- imperfeito, 
De detalhes teus, de efeitos - e refeitos
Voltamos a nos encontrar no único lugar
- que de nós dois, há.

Quando com teus lábios tão perto dos meus
(ou longe) Tu bebes do meu gosto
Tu derramas em ternuras
O tempo perfeito do tempo correto
Do verbo 
Não declamamos. Apenas, o conjugamos.

Sem comentários:

Enviar um comentário