terça-feira, 5 de março de 2013

CAI A NOITE


Ela surgia de suas semelhanças
E de seus contrários

Por vezes a víamos melhor mais publicamente
Do que ocultando os seios sob um coração materno

Poderá ela inspirar indiferença
Aquela que sou eu mesmo
O sol brilha através dele - ele nasceu dela
E é por isso que tenho certeza que todos o amam

Ela surgiu do homem 
E o homem surgiu dela
Ela surgiu do desejo do homem
De um homem
De mim
E de outro homem
E talvez também de uma mulher
De muitas mulheres desejáveis ideais
E de muitas mulheres sem atrativos

Surgiram infâncias vagas
Dos sonhos mais belos em espirais coloridas
E de duras realidades
Corcundas debilitadas brancas e negras
Sonho e realidade a rosa e a roseira
A dor e seus muros a extensão de uma rua tranquila
A dor aceitável e o prazer possível

Seu sangue navegava a remar
Contornando a ilha de seu coração
Caçávamos os dois juntos o sono
Dois sóis se erguiam em nós.

Paul Élouard

Sem comentários:

Enviar um comentário