segunda-feira, 25 de março de 2013

CAI A NOITE



Sozinha nos trilhos eu ia,
coração aos saltos no peito.
O espaço entre os dormentes
era excessivo, ou muito estreito.

Paisagem empobrecida:
carvalhos, pinheiros franzinos;
e além da folhagem cinzenta
vi luzir ao longe o laguinho
onde vive o eremita sujo,
como uma lágrima translúcida
a conter seus sofrimentos
ao longo dos anos, lúcida.

O eremita deu um tiro
e uma árvore balançou.
O laguinho estremeceu.
sua galinha cocoricou.
Bradou o velho eremita:

“Amor tem que ser posto em prática!”

Ao longe, um eco esboçou
sua adesão, não muito enfática.

(Elizabeth Bishop)

Sem comentários:

Enviar um comentário