sexta-feira, 24 de maio de 2013

SE EU FOR PENSAR MUITO NA VIDA


Quem sabe lidar bem com a tristeza? Raiva, ira, indignação, revolta são sentimentos que tornam a vida difícil quando recorrentes, mas são bem fáceis de com eles lidar. São, de certa forma, muito palpáveis, através de reações viscerais, barulhentas, até mesmo, físicas.

Ficar triste, por sua vez, é, basicamente, silêncio e solidão. Quando a tristeza chega, evita-se as pessoas antes que as pessoas evitem quem está triste. Cíclica, a internalização leva à imersão, que leva à introspecção: sinônimos, similares, sentimentos parceiros.

Nem todo silêncio é eloquente. Às vezes, é só silêncio. Às vezes, é pura falta de convicção. Esse silêncio inconvicto grita por conteúdo, que nunca é preenchido. Mas nem todo silêncio se mostra. Às vezes, é, também, expressão do tamanho do nada. Às vezes ele se faz e fala com uma lágrima, expressão pura de afeto, sempre quente. Não existe lágrima gelada. Nem toda tristeza, silenciosa, é seca.

O poeta uruguaio Mario Benedetti diz que é uma alegria poder sentir tristeza, o que é uma aparente incoerência. Bem ufanista também: saber que respirar dói significa que está vivo e logo, deve-se ficar feliz por isso. E aí, foge-se da tristeza, ao se descobrir alegre por senti-la...

É função da tristeza extrair vozes daquele seu silêncio, e ao mergulhar nessa função, o processo se torna mais doloroso ainda. Entristecer-se por algum motivo, por qualquer motivo ou sem motivo aparente. O silêncio deve dizer qual a razão. E a razão, sozinha, carrega a capacidade de seguir o mergulho ou emergir dele.

Fato é que chega uma hora em que tudo se aquieta. A compulsoriedade de sorrir sempre precisa tirar férias. A obrigação de ser escravo da ditadura da felicidade é tão falsa quanto é o clamor eterno pela mesma. Há que se retirar, por algum tempo, ensimesmar-se. Sem acessórios, sem enfeites. Só o silêncio, o espírito, o pensamento e a confiança de que se ouvir e se (re)conhecer, acabarão por nos levar a algum lugar.
(Ilustração: Edward Hopper)

Sem comentários:

Enviar um comentário