segunda-feira, 3 de junho de 2013

CAI A NOITE


No traço angular adentro 
- como morada 
Tu estás em mim como algo 
- dentro de tudo dentro do mundo 
Forte e frágil, tens um nome: 
O Teu Perfil.

Não só eu que vejo - quando te vejo
O teu sorrir, o sonho, o cansaço - sutil 
- quando respiras 
Tu me vês e sempre sabes 
Que nunca hei-de deixar(te)
O que é duradouro - 
Me inspira.

Tu me presenteias com a tua imagem
- Visto-me de ti
Por ti passeiam as minhas vontades
As tuas mãos pertencem ao meu corpo
E o meu colo é teu
Do atrevimento de tua boca
Tudo volta a ter gosto.

Tu reúnes as minhas margens
Espalhadas em instantes passados 
- de tormento
Esqueço o meu nascimento
Ardo em tua existência
Sob teu inteiro afeto.

Sabemos quem somos
- e conhecemos
Do que temos, a pressa sem causa
O ardente da vida
Juntos vamos, nas vias e retas
- exatos
Ao pouso, um chão, e o teto.

Sem comentários:

Enviar um comentário