quarta-feira, 12 de março de 2014

PMDB x DILMA: MUITAS ALEGRIAS EM DERROTAS SUCESSIVAS

Photo: Pedro Ladeira/Folhapress 


A foto que abre o post mostra os deputados (esq. para dir.) Fernando Francischini, líder do SDD, Eduardo Cunha, líder do PMDB, Vanderlei Macris (PSDB-SP), Ronaldo Caiado (DEM-GO) e Mendonça Filho, líder do DEM, fechando o acordo de convocação para quatro ministros do governo Dilma prestarem esclarecimentos na Câmara. Além dos convocados, foi aprovado também o convite para que seis outros ministros comparecem àquela Casa de Leis. Esta é, a exemplo de como estava sendo chamado o dia de ontem, uma Super-Quarta, depois de a presidente da República Dilma Rousseff afirmar, sem medo de errar, que o PMDB só lhe dava alegrias. Pois ela errou.

De todos os requerimentos de convocação, o que sem sombra de dúvida causa temor - e muito - no governo é o requerimento do PSDB que convoca Graça Foster para prestar esclarecimentos sobre as denúncias de propina de cerca de US$ 140 milhões em troca de contratos de aluguel de plataformas móveis ou sistemas flutuantes de produção de petróleo na Holanda. É o potencial que essa investigação tem para tocar fogo em óleo cru. Além disso, outra perda anunciada para o governo Dilma é a votação do famigerado Marco Civil da Internet, prevista inicialmente para esta Super-Quarta. Já dou como pule de 10 que o governo tirará a matéria da pauta, para não amargar vergonhosa derrota. 

Sim, tudo isso só foi possível graças à dissidência da bancada do PMDB da base do governo. Se esse "comportamento" será definitivo ou, não sendo, se durará muito tempo, ainda não se pode precisar. Mas há determinadas coisas que são feitas que, quando chegam por sua vez a determinado ponto, não tem retorno. Não trato, no entanto, o PMDB como oposição, até que seja referendada a posição da bancada de deputados pela Convenção Nacional do partido.

Por falar em oposição, essa situação com o PMDB desnuda uma obviedade gritante, mas que o diversionismo do PT e do governo consegue convencer a "opinião pública" do seu oposto, que é justamente a tese de que não há oposição ou que esta nada faz contra o governo. Prova por números. PSDB, DEM e PPS juntos, totalizam 77 deputados. Contando a adesão dos 22 do SDD chega-se a 99. O PMDB, sozinho, tem 75 deputados, o que representa nada menos do que 75,76% de toda a oposição junta. O governo com a sua maioria folgada ganharia todas mesmo, evidente que sim. Nada do que a oposição fizesse teria sucesso. Não adianta acusar a oposição de não ter propostas aprovadas. É preciso acusar o governo de não ser republicano e trabalhar a favor do Brasil, independentemente de quem proponha. Não adianta acusar a oposição de não pressionar o governo. É necessário acusar a base de apoio do governo que blinda a incompetência e pior, os malfeitos éticos, a todo custo e alto preço.

"Ah, se faz então tem que divulgar". Posso repetir também sem medo nenhum de errar o que digo e redigo sempre: todos os jornais escritos e falados, os colunistas, comentaristas, opiniáticos e que tais da nossa tão competente, combativa e independente imprensa tupiniquim recebem releases de ação/atuação da oposição e preciso presumir que leem. Convocações para eventos e coletivas chegam para todos os veículos e eles mandam seus jornalistas lá. Não faltam a nenhuma. Da NBR à GloboNews, passando por todas as demais emissoras, portais de notícias, revistas e jornais diários, todos têm jornalistas credenciados no Congresso. A grande maioria deles livremente entre os plenários das duas Casas e entre os salões Verde e Azul, o cafezinho do Plenário, o fumódromo. Saem para almoçar e jantar com parlamentares e ouvem, presenciam atuação, conversas em grupo e pedem opinião exclusiva sobre assunto A ou B. Só que não publicam. Não aparece na TV. Nas redações diversas não se produz matéria que informe a população de desmandos do governo Dilma e muito menos que a oposição esteja apontando, criticando e buscando solução. Ninguém noticia discursos e muito menos ação de parlamentares que não sejam "afinados" com o governo. 

Daí a grande importância, sim, do abandono do PMDB ao apoio incondicional à Dilma. Mais até do dar a vitória numérica que antes a oposição jamais teve, o raio de consequências desse divórcio tende à expansão. Os partidos menores já estão em alerta: "se o PT deixa a situação ficar tão ruim para o PMDB que é o poder dentro do poder, imagina para nós", a grosso modo é o que estão pensando e dizendo pelos cantos. 

A exemplo do que disse no post "O ringue do combate", essa luta do PMDB com o PT ainda tem alguns rounds. Mas já se tem a primeira lição: convém não provocar aqueles que têm em si uma ferocidade adormecida. Até ontem, Dilma não sabia disso. Só sabia das alegrias.

ATUALIZAÇÃO DO INFERNO ASTRAL DA DILMA ROUSSEFF:

A oposição aprovou também nesta Super-Quarta a convocação de Romeu Tuma Júnior, o autor do livro-denúncia Assassinato de Reputações para esclarecer sobre as revelações que faz no livro. Entram nesse momento na pauta das "só alegrias" da Dilma: Celso Daniel, a conta do mensalão em paraíso fiscal, Rosemary Noronha. Por falar em Rose, Lula que já contribuiria com esse tema, protagoniza ao menos outros dois bem interessantes: sua vida de alcagüete do DOPs durante o governo militar e umas "fotos". Que me lembram um certo caso que é segredo dos segredos que teria ocorrido no Amazonas.

Leia no Portal Vox uma entrevista exclusiva de Tuma Júnior onde ele faz revelação inédita sobre a morte do então prefeito de Santo André, Celso Daniel.

Sem comentários:

Enviar um comentário