sexta-feira, 4 de abril de 2014

MINEIRO, BRASILEIRO, AÉCIO: UM SITE E O FATOR CONFIANÇA


Logo cedo, li no Brasil Político que o senador Aécio Neves, candidato de oposição ao governo Dilma, lançou nesta sexta, 4, um portal que deverá ser, conforme diz a notícia, a base de suas ações no mundo virtual e ponto de partida para a militância na internet. Denominado Mineiro, Brasileiro, Aécio, tem uma série de seções, dentre elas uma que gostei bastante, "Diário do Absurdo", que aponta os óbvios absurdos petistas. O site propõe uma linguagem acessível, clara e renovada (bem jovem mesmo) e conta com um braço de interatividade interessante, o Aécio Digital, voltado para o contato direto com os internautas nas redes sociais. Pois bem, eu poderia discorrer, do ponto de vista da comunicação, tanto sobre o conteúdo como identidade visual, por horas. Mas eu vi no portal um detalhe que não apenas me chamou demais a atenção. Me deixou muito feliz. Essa é a palavra. Porque é algo que parece aleatório mas para mim tem um significado profundo, e por profundo, muito prático, e não acredito que esteja lá por acaso. Na seção em que Aécio apresenta os 12 pontos de partida para mudar o Brasil, o primeiro núcleo que "explode" na tela, com direito a #, é o que trata da "confiança". Aqui eu coloco um ponto, volto a linha e abro parágrafo para demonstrar o porquê disso ser tão importante. 

Governar é tocar o futuro hoje. No presente. Ou seja, trocar o futuro pelo presente. Isso dá-se através da confiança, inclusive de toda a sociedade em fazer, para poder dar certo, o sentido oposto que o governo: trocar o presente pelo futuro. Falo no sentido econômico, e não do éter no sentido emocional. É fato que sociedades com índices de confiança elevados têm taxas de crescimento e renda per capta maiores. É o "fator confiança" na economia, índice que a propósito, despencou nestepaiz do Mantega e da Dilma: em 2013 caiu de 48% para 10%. Todos pudemos perceber isso claramente no noticiário da última semana. Por duas vezes consecutivas, o mercado financeiro reagiu com euforia às notícias de queda a Dilma Rousseff. Primeiro, a de aprovação do seu governo. Depois repetiu a performance positiva somente com a possibilidade de uma queda na intenção de votos a ser medida pela pesquisa Datafolha que será divulgada entre hoje e amanhã, 05. Bolsas subiram, dólar caiu e ações de estatais (as mais vilipendiadas pelo governo incompetente e desonesto - vide o Escândalo Petrobras) tiveram alta.

O elo mais forte que pode haver numa sociedade (qualquer que seja o seu tamanho, como por exemplo, pais e filhos, marido e mulher, chefes e funcionários, governo e cidadãos) é aquele com base na confiança: ela fecunda, enquanto a desconfiança esteriliza. Quem pretende ser um bom governante, nesta caso, presidente da República, deve ter internalizadas as razões porque tem certeza que o será e nelas confiar. Antes de ser candidato, é preciso encontrar dentro si as razões pelas quais o Brasil deve elegê-lo. Só assim o candidato é capaz de passar dos seus para os olhos do eleitor, o fator confiança. 

Trocar uma tutela por outra é perpetuar o círculo vicioso que nos mantém subdesenvolvidos. A oportunidade de mudança está em se livrar da tutela e não se trocar de tutor. Numa reunião com a bancada de deputados do seu partido, o PSDB, ano passado, Aécio afirmou que "não temos que vencer porque queremos ganhar uma eleição. Temos que vencer o PT, porque o PT é prejudicial para o Brasil". É isso. É disso que se trata, não desejar ser "o novo tutor". É a razão pela qual deve ser ele o Presidente do Brasil. Porque o PT é nocivo ao país. Tudo isso continua tendo a ver com confiança: o PT traiu em todos os aspectos possíveis, a confiança de toda uma Nação. Não precisamos de um outro tutor, precisamos do fim absoluto da submissão à tutela do governo. Precisamos de quem se desapegue do controle do estado e empregue o fator confiança para que a sociedade, livre, se desenvolva. 

O governo petista, desde Lula até Dilma, é populista e demagogo e isso, via tutela, custa caríssimo! Não se combate demagogia com demagogia. Não existe demagogia do bem, então, quem pretende vencer um demagogo só poderá fazê-lo com a garantia de que partirá para ações, e não conversa fiada. O governo Dilma perdeu tanto a mão que se mostrou incompetente até na demagogia, uma vez que a única medida que vem tomando para sustentar o discurso populista é fazer alguém (nós) pagar muito, através do aumento de impostos. Um exemplo é o caso da desoneração (demagógica) da energia elétrica. Somente há demagogos porque há demanda por demagogia e esta é combatida com a oferta de propostas realistas. Elas estão lá, no fator #Confiança, descritas: resgate de valores, compromisso com a democracia, recuperação da credibilidade e da responsabilidade pública. 

A recuperação da credibilidade e responsabilidade com a coisa pública passa por reverter o ciclo perverso que o PT nos imprimiu: manutenção do seu poder através da corrupção. Corrupção também tem a ver com confiança, porque trata-se de traí-la, essencialmente. Um governo corrupto sequestra a possibilidade de futuro, desviando suas riquezas para os bolsos particulares ou cofres do partido. Riquezas que nunca são produzidas pelo governo, que não produz mesmo bens, apenas ideias. Quem produz é o pagador de impostos, e a corrupção é tração ao pagador de impostos. Não se constroem verdades em cima de mentiras e em cima de mentiras não há confiança. 

Ainda não se pode precisar quais os rumos esta campanha tomará a partir do momento em que for iniciada (ainda não é permitido fazer campanha eleitoral a não ser para Dilma, que pode tudo porque todos fingem que não vêem que ela descumpre sistematicamente a lei eleitoral). Mas eu posso seguramente acreditar que o que se inicia projetando para hoje o que é possível amanhã, não me desagrada. Ao contrário, me entusiasma. Muito.

1 comentário:

  1. Ainda não conheci o site do Aécio , mas pelo teu entusiasmo , só pode ser coisa boa .
    Contudo a campanha não poder ser exercida por ele , acho que nós podemos dar o ponta pé inicial , difundindo quem e o que faz Aécio . Retirar o PT do Poder é pra ontém ! Chega desse câncer destruindo a nação !
    Parabéns pelo texto e pela lucidez de sempre ! Bjs, Edna

    ResponderEliminar