terça-feira, 27 de junho de 2017

DIÁLOGO COM A GENIALIDADE

"Um lavrador de pé é maior que um fidalgo de joelhos." 
Benjamim Franklin

O Violeiro na Janela, de Almeida Junior

Erguer-se acima do comum, na vida, é um embate contínuo, não raro, consigo mesmo.  É luta-se contra a situação, contra o meio, qualquer que seja este, e contra o que é  "predeterminado pelo destino". Trava-se uma batalha contra a mesmice fácil, o estado do deixa como está para ver como é que fica. Comumente faz-se necessário o combate contra ideias conformistas, que sequer sejam de si próprio, mas de terceiros. É batalha contra o descrédito: "você não vai conseguir", ou "isso não é para você". 

Não! Nada faz desistir quando há, dentro de si, o gênio. 

É na simplicidade da vida que o gênio se manifesta. O verdadeiro - o bom, melhor, o inigualável - se sobressai ao optar pela conquista do seu sucesso, intrinsecamente pessoal, familiar, profissional. Persistência, coragem e convicções firmes são os amálgamas que o pavimenta. O perseverante que no dia-a-dia do combate, manteve  consigo o seu conjunto ético, pode alimentar a própria simplicidade da vida. Suas conquistas mais simples o manterão para sempre de pé. 

O gênio real é simples, sempre. Mantém ao seu redor tudo idêntico a si, em qualquer estágio de sua batalha, de seu combate, de sua conquista. O mundo ao seu redor é um reflexo dele, e não o contrário. Com a simplicidade é que enfrenta os medos, os rugidos dos leões que fazem estremecer a valentia - ambos, medos e valentias, dentro de si mesmo. Mas a sua firmeza é simples, também: está no mesmo lugar onde surgiu a obstinação, e é de onde sai para combater aqueles leões: em si. Mais simples, impossível. 

É necessário mergulhar na simplicidade  para reconhecer os melhores, os mais fortes, os mais diferenciados gênios: a  sua razão é a sua naturalidade de se espantar com cada um dos seus afetos; sua raiz é a sua riqueza; sua conversa, o seu encanto; seu sucesso, o seu castelo. Seu senso de justiça e honra é o templo de sua glória. O seu enfrentamento de mundo mantendo-se sempre de pé, é também o seu legado.

A simplicidade de reconhecer o valor de uma tarde preguiçosa ou de uma manhã ouvindo música na janela é, para o gênio, o que fideliza suas certezas, realizando-se em miúdos instantes que passam, insignificantes, no dia dos outros, mas que nele enraíza-se. Então forma-se o ciclo, quanto mais se conquista, mais simples fica. As "falas" difíceis não se rebuscam para mostrarem-se, mostram-se nuas, cruas, em voz tão grave quanto discreta. Não moram nele grandes mistérios, não para ele próprio. Não persistem no gênio nem vazios e nem crises existenciais. Qualquer gesto, qualquer escolha, qualquer ato sob qualquer circunstância, está tudo ali: é o espírito valente. 

Simplicidade não se prova, não se põe à prova. É coisa de gênio.


[Publicado originalmente como Diálogo Sobre a Simplicidade. Mas a simplicidade é o caminho do gênio. Mereceu a mudança.]

1 comentário:

  1. Simplesmente genial esse seu ensaio sobre a genialidade do simples! Parabéns, eu amei! 👏😘

    ResponderEliminar