CAI A NOITE



SEMIDEUSES
(Edmilson Sanches)

Oi!
Vou direto ao assunto.
Agora é final de sexta-feira e...
...que tal construirmos um sábado
e um domingo
diferentes?
Venhas até aqui, onde moro.
Não tragas muda de roupa
-- não precisaremos dela.
(Em verdade,
não precisaremos de roupa.)

Não traga alimentos
-- nós seremos eles.

Traga-te a ti
e te entregues a mim,
que já se entregou a ti
sem que tu percebesses.

E durante o dia e a noite,
e em todos os instantes
falaremos de amor,
faremos amor,
seremos amor.

Falarei no idioma
de minha língua
que não fala,
mas, fálica,
famélica,
te comerá,
te absorverá,
te sorverá
na intimidade
mais íntima,
mais líqüida
e certa
que tens.

Minha língua
te reeducará
fazendo-te
aprender
a desprender
os sons selvagens,
irreproduzíveis,
da selvagem
que és quando,
entregando-te,
dominas-me
e domesticas
o macho -- que,
se acreditando possuidor,
é possuído.

E no domingo,
enquanto o Senhor descansa,
Adão -- carpindo o caule –
e Eva -- regando a flor --
amassam o pão
com o suor do rosto
e do resto do corpo,
e também
com a saliva
e a seiva
e o sangue
e o sêmen,
em imitação
malfeita,
mas humanamente prazerosa,
do gesto divino
da (re)criação,
da (re)produção
de si
em si,
de mim
em ti,
de ti
em mim.

(EDMILSON SANCHES é jornalista, escritor e poeta - edmilsonsanches@uol.com.br)

Comentários

  1. http://www.youtube.com/watch?v=gKUHc_knYBE&feature=related

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares